14.5.07

A cereja do bolo

Ontem, em pleno almoço de Dia das Mães, meu irmão mostrou-se chocado quando lhe contamos que a maioria das "cerejas ao maraschino" que vemos por aí, nas padarias deste Brasil, é falsa. "Como assim você nunca reparou que, quando tira o palito com a cereja do sanduíche de metro, fica uma marca rosada na casca por causa do corante?", perguntei, abismada.

Hoje, chego no trabalho e recebo um bolinho (duro) de chocolate com uma cereja artificial em cima. Coisas de campanha interna de empresa grande.
As cerejas artificiais já foram temas de diversas rodas de discussão que participei. Só que, até hoje, não sei realmente do que são feitas. Os pitacos são muitos: mamão, jujuba, gelatina, chuchu (minha versão favorita, afinal seria um fim digno para um legume tão coitado). Mas ninguém consegue me responder o seguinte: seja qual for a matéria-prima, como os fazedores de cerejas artificiais conseguem impedir que seu produto derreta? Até a mais vagabunda (e, confie em mim, já comi muita pseudocereja por aí, até daquelas que nem redondas são) tem um tipo de película em torno, como se fosse uma casquinha mesmo.

Colaborações são bem-vindas.

Um comentário:

Fernando Santana disse...

Olá Amigão..

A sacada para que elas não "derretam" é o uso de alginato, um hidrocolóide de origem natural, com muitos usos na indústria de alimentos.

Abraço,

Fernando Santana
Engenheiro de Alimentos